CA 041115_MG_9918.jpg

    Francine Ribeiro de Moura, em arte Francine Moura, mulher negra, natural de Angra dos Reis - RJ, reside atualmente em São Paulo - SP mas também tem base no Rio de Janeiro - RJ. Ama criar espaços e imagens encontrando nas artes visuais um caminho para se expressar no mundo. Atua como arquiteta, cenógrafa, diretora de arte, figurinista e carnavalesca. A dança também possui lugar importante em sua vida entendendo ser caminho para se conectar consigo mesma. É dançarina, intérprete-criadora, performer.

    É graduada em Arquitetura e Urbanismo e pós-graduada em Educação, Relações Étnico-Raciais e Sociedade e em Projeto de Arquitetura na Cidade Contemporânea. Apesar da aproximação com a academia, acredita fortemente nas pesquisas autônomas e formações livres.

  Possui vivências em diversas áreas do departamento de arte de produções audiovisuais. Cria e executa visualidades em linguagens múltiplas como curta metragem, longa metragem, documentário, série, websérie, videodança, videoclipe e também atua em demais projetos artísticos como carnaval, ensaios fotográficos, exposições, eventos e espetáculos.

 ​

    No campo da arquitetura, interiores e construção civil, tem experiência em projeto, obra e manutenção predial tanto comerciais quanto residenciais. Também já atuou com pesquisa e preservação de patrimônio histórico. Junto ao artista Lumumba Afroindígena, assina a coautoria do monumento em homenagem ao negro arquiteto Tebas, localizado na Praça da Sé, centro de São Paulo e entregue à cidade em novembro de 2020.

   Tem relação com a dança desde que apreende a potência do corpo quando criança. Entregou-se ao ballet clássico, ballet moderno, sapateado, danças de salão, dança do ventre egípcia até se encontrar efetivamente nas danças afro-diaspóricas, lugares que está atualmente. Pesquisa de forma autônoma o samba no pé e possui vivências das corporeidades nas Escolas de Samba sendo passista, musa de bateria, porta-estandarte e integrante de ala coreografada.

    Nos últimos três anos tem dedicado seu amor, energia e habilidades sobretudo a projetos artísticos e arquitetônicos afro-referenciados. Atualmente é diretora de arte e artista-pesquisadora do Núcleo de Estudos em Corporeidades Negras, carnavalesca, diretora de arte e integrante do corpo de dança do Bloco Afro-Afirmativo Ilu Inã e diretora de arte e intérprete-criadora de Macuas Cia Cênica.

Axé

currículo completo

visualidades . arquitetura

currículo completo

corporeidades . dança 

foto: Cris Augusta